O que se deve saber para internar um dependente químico!

A internação de um familiar com problemas de dependência química é um fato que pode ser decisivo na recuperação do dependente e, portanto, os responsáveis da internação devem conhecer quais itens pesquisar junto ao estabelecimento para a tomada da decisão da internação.
Lembrem que há clínicas e comunidades sérias e outras nem tanto, as quais visam apenas ganhar dinheiro com a desgraça alheia.

Não interne seu familiar se informando sobre o estabelecimento pela internet. Lá tudo é bonito e funciona otimamente. Na prática pode ser diferente. Vá até o estabelecimento e comprove tudo pessoalmente

Assim, abaixo colocamos algumas ideias de perguntas para serem discutidas com os responsáveis da clinica ou da comunidade que está sendo escolhida.

Vinte principais perguntas sobre internação em clínica ou comunidade de recuperação de dependentes químicos

Quais são os critérios que o estabelecimento utiliza para internação de um paciente? Existem tempos diferentes de internação para diferentes usos de drogas, tipo álcool, cocaína, crack, cannabis?

Há quanto tempo o estabelecimento existe e qual é o currículo dos seus dirigentes.

Quais os tipos de contratos de internação, de pagamentos, de terapias, de consultas médicas, de medicamentos. Leia tudo muito atentamente. Não assine o que não entender muito bem. Exija regras claras sobre tudo o que está escrito no contrato. Tenha extremo cuidado para não cair em armadilhas.

Há internações feitas contra a vontade do paciente? (chamadas de internação involuntária). O estabelecimento possui ou orienta sobre o resgate do paciente?
Há aulas ou cultos ligados à alguma religião? O que acontece se o interno não for adepto à essa religião?
O estabelecimento possui em seus quadros psiquiatra, médico generalista, psicólogos que efetivamente trabalham com os pacientes? Há unidade de desintoxicação para dependentes com problemas de sintomas de abstinência? È feita com o uso de medicamentos e sob supervisão de médico?
Quantos pacientes ficam no mesmo quarto? Quantos pacientes estão em tratamento no estabelecimento?
O estabelecimento segue o Programa dos Doze Passos? Se não seguir este programa não interne seu familiar nesse estabelecimento.
Qual é a opinião dos responsáveis do estabelecimento sobre o uso de medicamentos no tratamento dos pacientes? Lembre que cerca de 80% dos dependentes químicos possuem comorbidades psiquiátricas e necessitam de medicamentos psiquiátricos.
Qual é o tempo médio de internação para cada tipo de interno?
Quais tipos de pacientes estão internados no estabelecimento?\Há pacientes esquizofrênicos internados? Há moradores de rua? Há recuperandos de estabelecimentos penais?
Qual é o índice de sucesso que o estabelecimento obtém com seus pacientes? Pegue nomes, telefones e informações de dependentes que fizeram tratamento no estabelecimento e entre em contato com os mesmos para informações.
Qual é o programa de visitas aos internos? Idem para telefonemas e informações semanais.
Qual é o suporte dado pelo estabelecimento aos familiares durante a internação?
Qual é o suporte dado pelo estabelecimento ao paciente após o tempo de tratamento efetuado? E aos familiares?
Como é feita a ressocialização dos internos? É feita em casa? Depois de quanto tempo de internação?
O que é recomendado ao interno quando da sua saída. Recomendam o N.A. (Narcóticos Anônimos), 90 dias e 90 reuniões? Tratamentos psicológico e psiquiátrico? Retornos periódicos ao estabelecimento?
Como é tratado o paciente que recai após o tratamento?
Quanto tempo fica internado o paciente que recai? Quais são as condições de tempo e de custos em caso de reinternação.
Na opinião do estabelecimento o que realmente funciona na vida pós-tratamento da internação? Como deve ser feita a reintegração do dependente à sociedade após o tratamento? Como fazer para diminuir ou anular o estigma de pós-internação?

Postagens populares

Destaques!!!

Entenda o que é a internação compulsória

O Governo do Estado deu início à parceria com o Ministério Público, o Tribunal de Justiça e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para plan...